O que você precisa saber para viajar para Dubai durante o Ramadã

"O mês de Ramadan foi o mês em que foi revelado o Alcorão - orientação para a humanidade e evidência de orientação e de discernimento. Por conseguinte, quem de vós presenciar o novilúnio desse mês deverá jejuar; porém, quem se achar enfermo ou em viagem jejuará, depois, o mesmo número de dias. Allah vos deseja a comodidade e não a dificuldade, mas cumpri o número (de dias), e glorificai a Allah por ter-vos orientado, a fim de que Lhe agradeçais." (2:183-185)



O Islã está profundamente enraizado na sociedade dos Emirados Árabes Unidos, que é majoritariamente muçulmana. Para eles, o Alcorão é a palavra de Deus, o livro sagrado que orienta a moral dos homens desta religião.

O Islamismo tem 5 pilares que traçam a estrutura da vida do muçulmano: a fé, a oração, o interesse pelo necessitado (zakat), a auto-purificação (jejum) e a peregrinação à Makkah para quem for capaz (fisicamente e financeiramente).

O Ramadã é o quarto pilar. É o mês sagrado para os muçulmanos, marcado por oração, jejum (swam) e caridade. Ele acontece no 9º mês do calendário islâmico (calendário lunar) - é como o nosso carnaval, as datas variam todos os anos, mas não a sua duração. A mobilidade deste calendário faz com que o sacrifício caia em meses diferentes, em estações diferentes, ao longo da vida de quem o pratica. Li em um blog antes de viajar e a blogueira pegou o Ramadã em novembro. Eu peguei em julho. As datas avançam cerca de 11 dias por ano no nosso calendário.


O ritual é extrema importância na vida dos muçulmanos, já que a autorização dos pais para praticar o jejum é o símbolo da passagem da juventude para a vida adulta. O objetivo do sacrifício não é apenas ficar sem comer e beber à luz do dia, mas ensinar os muçulmanos a auto-disciplina, auto-contenção e generosidade. É a renovação da fé muçulmana, a lembrança do sofrimento dos mais pobres, que raramente podem comer bem, a valorização da vida em família e a fraternidade. É a aproximação dos valores sacros.

Nesse período eles não se alimentam à luz do dia. Geralmente, fazem uma refeição conhecida como Suhoor, pouco antes do nascer do sol e outra conhecida como o Iftar, logo após o pôr do sol.

Embora seja uma cidade mais turística e não tão rigorosa com a religião quando comparada com outras cidades islâmicas, Dubai exige algum sacrifício até dos visitantes. Quem passa por lá nessa época, não pode ser visto comendo, nem bebendo água. Alguns restaurantes e cafés (especialmente nos hotéis) até ficam abertos durante o dia, mas com cortinas pretas, em respeito à religião e para que não ofenda quem está fazendo o jejum. Também é proibido fumar em público.

Interior do restaurante tampado com adesivo
As praças de alimentação nos shoppings ficam fechadas e não é fácil comprar água. E atenção! Até mesmo chupar chicletes é considerado comer. Quanto à bebidas alcoólicas, mesmo os restaurantes turísticos fechados com cortinas, só às servem  a partir das 19h. Comer ou beber dentro de transporte público pode até render multas!!

Mulheres devem evitar usar shorts e saias curtas em Dubai em todas as épocas, mas durante o mês sagrado são ainda mais rigorosos. Todos devem dar preferência para roupas de algodão, mas largas e compridas. Escolha blusas que tampem o ombro, com manga curta.

O calor é insuportável durante o verão. Era a conta de colocar os pés para fora do hotel e nossos óculos embaçavam e as lentes das câmeras também!! Nunca imaginei que isso pudesse acontecer. Infelizmente muuuuitas fotos da viagem ficaram péssimas por causa disso. Não dá para ver nada...


Imaginem andar de calça comprida nesse calor? Quase morremos! Pegamos o começo do Ramadã na primeira estadia em Dubai - à caminho de Pequim - e o final do ritual na segunda estadia - voltando de Tóquio. Depois de 20 dias usando vestidos e shorts, naquele calor, foi impossível colocar calça de novo. Eu saí de short (o mais comprido que tenho) e blusa de manga. As minhas duas primas saíram de vestido. Tiro e queda. Fomos notificadas pelo segurança do shopping - em árabe, francês e inglês.


O único lado positivo desta época, é ver de perto a cultura local mais forte. Vimos, por exemplo, tendas preparadas com as doações para os mais pobres e o local em que servem comida para eles. Antes de ir, eu não conhecia este lado fraterno do Ramadã.

Além disso, alguns hotéis oferecem festas extravagantes de Iftar (a quebra do jejum), que duram noite adentro. Tendas na cidade também oferecem celebrações, com as melhores iguarias e chás do Oriente Médio e muita música árabe.

Mais sobre a crença

"Se for o dia de jejuar de alguém, não deve pecar, nem tumultuar, e se alguém lhe ofender (insultando) ou provocar, que lhe diga ‘Estou de jejum’."

O crente deve se manter longe de coisas imorais - é a época de disciplina moral e do espírito. O jejum vai além da abstinência da bebida e da comida, mas de dos maus atos e pensamentos - fumar, ter relações sexuais (e até pensar nelas), entre outras coisas. O foco deve ser, durante todo o mês, Alá. E, se for vítima de desrespeito, insultos ou provocações, o muçulmano deve permanecer fiel ao mês sacro e não reagir com violência ou obscenidades.

Normalmente são realizadas cinco orações por dia. Durante o Ramadã, além delas, ainda é recitado o Taraweeh, uma oração especial à noite.

É proibido cometer pecados e falar o mal. Essa é a época de perdoar e se ocupar com penitências e adoração a Alá. É o mês das boas ações. Devem orientar-se pelo Alcorão, seguir sua moral, e agir dentro de seus preceitos. É desistir de violar a Lei de Deus, por temor e amor a Ele, e corrigir as vezes em que por algum motivo violou, realizando atividades que O agradem. É um momento de autoavaliação e autojulgamento - um balanço das vidas - para reparar os erros e aproximar ainda mais do que agrada Alá.

Doentes, idosos, mulheres grávidas ou pessoas com algum tipo de deficiência ou incapacidade física são dispensadas do mês de sacrifício - eles podem fazer o jejum em outra época do ano ou alimentar uma pessoa necessitada para cada dia que o jejum for quebrado. As mulheres menstruadas podem começar o sacrifício após esses dias e continuar depois.

No caso de pessoas que quebram o ritual, comendo, bebendo ou tendo relações sexuais no período em questão, o Ramadã é anulado e ele é obrigado a fazer jejum por 60 dias sequenciais.

Zakatul Fitr (A caridade do desjejum) 

O Zakatul Fitr é uma doação feita pelo chefe de cada família (por ele e em nome de seus dependentes) aos menos favorecidos. A doação pode ser feita em dinheiro ou em alimentos antes do fim do mês sagrado. É assim que se completa o jejum.

A finalidade desta caridade é proporcionar às pessoas mais pobres a oportunidade de participarem da festa do desjejum, com uma boa refeição, roupas melhores e brinquedos para as crianças.

"Aliviai-os da necessidade de saírem atrás de caridade nesse dia."

Para o sacrifício estar completo e para que Alá o aceite, Zakatul Fitr deve ser feito antes do desjejum. Depois desse período, não tem validade como a caridade do desjejum, e sim como uma boa ação.

0 comentários:

Copyright © 2012 Passaporte Pronto?. Copyright © 2012 Logo desenvolvida por Vitor Quinet.